A M O - R S - A união é a nossa força.

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
A M O - R S - A união é a nossa força.

AMO recomenda: Não prenda câmeras ao capacete

E-mail Imprimir PDF

Câmera do capacete de Schumacher pode ter tornado o acidente ainda mais grave

camera capacete

Filmadora é suspeita de ter enfraquecido o capacete do alemão no acidente de esqui que o deixou em coma

De acordo com o jornal britânico The Telegraph, uma câmera portátil que ficava no capacete de Michael Schumacher pode ter registrado imagens do acidente de esqui que ele sofreu há dois na estação de esqui de Méribel, sudeste da França.

Leia mais: Schumacher continua sendo acordado lentamente pelos médicos

O jornal diz que a câmera é importante para explicar o acidente, e não apenas pelas imagens que eventualmente tenha registrado. Ela pode também ter enfraquecido a estrutura do capacete, que se rachou quando o alemão chocou-se de cabeça com uma pedra.

Veja também: Família nega doença e confirma processo para Schumacher sair do coma

"O capacete quebrou completamente, no mínimo em duas partes. A Ensa (Escola Nacional de Esqui e Alpinismo de Chamonix) verificou o material do capacete e constatou que estava OK. Mas por que ele estourou no impacto? Aí é que entra a câmera. O laboratório tem feito testes para ver se a câmera enfraqueceu a estrutura", contou uma fonte não identificada pelo The Telegraph .

Entenda o caso

Michael Schumacher se acidentou no dia 29 de dezembro de 2013, quando esquiava com o filho, Mick, e um grupo de amigos na estação francesa de Méribel. Ele se desequiliboru ao passar por uma pedra, caiu e bateu com a cabeça em outra rocha. O alemão esquiava fora de pista, segundo a polícia de Albertville.

O heptacampeão de Fórmula 1 já passou por duas cirurgias para reduzir a pressão intracraniana e para a remoção de coágulos, mas segue sedado e em coma. Recentemente foi iniciado um processo de redução dos sedativos para tentar tirá-lo do coma. O processo é lento e não tem previsão para ser finalizado.

Fonte: Esporte - iG @ http://esporte.ig.com.br/automobilismo/2014-02-16/camera-do-capacete-de-schumacher-pode-ter-tornado-o-acidente-ainda-mais-grave.html

A Federação Internacional de Motociclismo proibe o uso de cameras fixas aos capacetes dos pilotos, pelo risco de agravamento de acidentes e perda de eficiência dos equipamentos de proteção. Se quer filmar, fixe a câmera na moto. nunca no capacete.

Última atualização em Sex, 08 de Dezembro de 2017 09:38
 

Recebemos o laudo sobre o DPVAT

E-mail Imprimir PDF

Chegou do perito o laudo sobre a causa da AMO contra o DPVAT, leia o texto completo aqui:

laudo_pdvat_2012.dpf

Última atualização em Dom, 04 de Novembro de 2012 20:18
 

Eleitas as Soberanas 2018 da AMO-RS

E-mail Imprimir PDF

rainhas 2018

Rainha

Rosiane Oliveira - MG Carbonídera - Charqueadas

1ª Princesa

Joana de Camargo - MG Bicho Véio - Soledade

2ª Princesa

Mylena Freitas - MG Rota 290 - Butiá

Última atualização em Seg, 13 de Novembro de 2017 08:42
 

Filiação na AMO-RS

E-mail Imprimir PDF

anuidade 2018 

filiacao amo 

Motociclistas interessados em saber os benefícios de ser filiado a AMO/RS, basta contatar através do e mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ou whats 51.99957.0307.
* Lembre-se: a AMO/RS dá guarida ao nome do seu Grupo, buscou a redução do valor do DPVAT em ambito Nacional, realiza Congresso Estadual dos Motociclistas/Concurso das Soberanas/Troféu Moto Turismo, organiza o Calendário Estadual de Eventos de Motociclismo, promove palestras e Ações Sociais, possui lista com mais de 33 Empresas Parceiras, possui cadastro de bandas com preço acessível e qualidade garantida, etc.
Além dos benefícios supra, podemos muito mais com a sua Força!

Última atualização em Qua, 17 de Janeiro de 2018 18:56
 

AMO-RS segue no embate jurídico

E-mail Imprimir PDF

 

AMO-RS segue no embate jurídico contra a CONCEPA - CONCESSIONÁRIA DA RODOVIA OSÓRIO - PORTO ALEGRE S.A.

            Em setembro do ano de 2002 a AMO-RS organizou um manifesto contra a cobrança de pedágios. Na época a Concepa sentiu ameaçada a posse da rodovia que administra, vindo a ajuizar uma Demanda Judicial denominada Interdito Proibitório com pedido de aplicação de multa, a qual foi julgada, em 1º grau (proc. n.º 015/1.03.0017366-5 - Juízo de Gravataí – RS), desfavoravelmente à AMO-RS e aos Motociclistas Antonio Modena,  Antonio Carlos Cassola, Jorge Luiz da Silva Monteiro e Leandro Balardin, os quais também constam no pólo passivo do referido processo.

            No entanto, descontente com o julgado de primeira instância, o Conselho Jurídico da AMO-RS, através do Advogado Luís Gustavo Andrade Madeira, interpôs Recurso de Apelação perante o 2º grau de Jurisdição (Tribunal de Justiça do RS). O referido Recurso foi Provido em favor da Associação dos Motociclistas do Rio Grande do Sul, sendo dessa forma improcedente todo e qualquer pedido feito pela Concepa.

            Seguem alguns fundamentos da decisão oriunda do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul:

Se está aqui diante de um movimento de motociclistas inconformados com as tarifas de pedágio, cujas manifestações não implicam risco à posse da parte autora”.

“Com efeito, nessas questões de manifestações de trabalhadores, de estudantes, enfim, de qualquer classe de nossa sociedade, em termos jurisdicionais se há de manter uma interpretação desses movimentos mais ajustada às circunstâncias que costumeiramente costumam moldar estes acontecimentos. É que muitas vezes, nesses casos, aquilo que se poderia ter como justo receio a autorizar o interdito proibitório do artigo 932, CPC , quando se está frente a manifestações dessa índole, nada significa em termos de atentado efetivo à posse de quem quer que seja”.

“De outra banda, manifestações nas rodovias raramente alcançam o absoluto impedimento do acesso a ela. E ao mais das vezes caracteriza mera manifestação, que até pode ser ruidosa, mas sem qualquer repercussão no plano da posse”.

“Desta forma, em sendo os movimentos sociais legalmente previstos e amparados na Constituição Federal, não são, por si só, prova de ameaça ou iminência de turbação ou esbulho, como dispõe o art. 932 do Código de Processo Civil, acerca do interdito proibitório”.

Hoje, passados mais de 9 (nove) anos do ajuizamento da Ação, a Concepa segue tentando buscar a procedência da ação, porém não vem logrando êxito, uma vez que tem foi negado, recentemente, seguimento ao Recurso Extraordinário da Concessionária da Rodovia perante o Supremo Tribunal Federal (STF) – Brasília.

 

Daniel Goulart da Silva – OAB/RS 80.168

Membro do Conselho Jurídico da AMO-RS – Gestão 2010/2013

 

Última atualização em Seg, 19 de Dezembro de 2011 19:03
 


Página 4 de 10

 AMO-RS
 
Associação dos Motociclistas
do Rio Grande do Sul